A+  A-  |  voltar

Cirurgia Plástica nos Pés


O desejo pela estética de um pé perfeito, exposto às exigências anatômicas da moda calçadista feminina com suas sandálias abertas e saltos altos com bicos cada vez mais finos, levam as mulheres a procurarem alternativas para amenizar suas queixas em relação aos seus dedos e às formas dos pés.

 

 

As queixas mais frequentes estão relacionadas diretamente com o uso de calçados e incluem calosidades, deformidades dos dedos, alterações das unhas e diversos tipos de dor e desconforto. Além disso, a insatisfação pela própria forma do pé e dos dedos, adquirida geneticamente, pode causar incômodo e constrangimento.

 

 

Os termos "Cirurgia Plástica nos Pés", "Cirurgia Estética nos Pés" ou "Cinderella Surgery" ( "Cirurgia Cinderela" - termo proposto pelo Dr. Ali Sadrieh de Beverly Hills) são expressões com certo caráter comercial, usadas para divulgar os procedimentos ortopédicos que corrigem as deformidades ósseas e articulares que causam desconforto aos exigidos pés femininos.

A polêmica em relação a esses procedimentos, intitulados como “ plásticos ” ou “ estéticos ”, acontece quando a exigência da correção ultrapassa o bom senso anatômico e funcional.

No entendimento da medicina atual, pés que exercem sua função normal, dentro de calçados anatomicamente apropriados e sem discrepâncias ou deformidades realmente importantes, não devem ser operados somente para satisfazer o ego do paciente.

O impulso pela busca da perfeição estética e satisfação corporal leva os pacientes a realizarem cirurgias desnecessárias, expondo-os aos riscos inerentes e com alto grau de insatisfação pós-operatória.

As indicações cirúrgicas “ estéticas " nos pés devem estar sempre associadas com deformidades relevantes ou limitantes do ponto de vista funcional.

 

As deformidades mais associadas às queixas são:

 

Hallux Valgus (ver Joanetes)

Dedos longos ou curtos demais (ver Braquimetatarsia)

Dedos com deformidades (ver Deformidades dos Dedos Menores)

Joanete do 5ºdedo (ver Bunionette)

 

É importante salientar :

 

1. Os procedimentos cirúrgicos utilizados para corrigir essas deformidades envolvem incisões, alterações tendinosas (tenotomias / tenoplastias) e cortes ósseos (osteotomias); além de ser necessário, em certos casos, o uso de pequenos parafusos ou fios metálicos para fixação.

2. Procedimentos cirúrgicos eletivos necessitam de uma avaliação clínica pré-operatória e envolvem cuidados apropriados após a realização do procedimento.

3. Todos e quaisquer procedimentos cirúrgicos provocam a formação de tecido fibroso cicatricial. Fatores genéticos, doenças que interferem no processo de reparo tecidual, alguns medicamentos e tabagismo interferem no aspecto e na forma da cicatriz resultante.

4. As fases pós-operatórias de inflamação, reparação tecidual e remodelação são inerentes a todo processo cicatricial, variam de acordo com cada tipo de tecido operado e interferem no tempo de recuperação e no retorno ás atividades diárias normais.

 

 

5. Complicações pós-operatórias podem acontecer em qualquer cirurgia, mesmo com todos os cuidados preventivos necessários para que estas não ocorra. As principais complicações que podem ocorrer na cirurgia do pé são:

 

Abertura da sutura (deiscência)

Reações alérgicas (material ou anestésicos)

Infecções

Não consolidação óssea

Quebra dos Implantes (falência do material)

Deslocamento dos implantes ou das partes ósseas

Formação cicatricial indesejada

Recidiva da deformidade

Edema e dor residual persistente

Consultório


(51) 3737.2003

Celular & WhatsApp : (51) 99574.5500

Internet : Agendamento Online 

R. Ramiro Barcelos, 630 / Sala 506

Cep: 90035-001 

Floresta - Porto Alegre - RS

Obs.: Estacionamento no local